Vol.  38,  n.o 1 (150),  Jan-Mar  2018
 
Growth and distribution: a revised classical model
Luiz Carlos Bresser-Pereira

Este artigo discute a distribuição e as fases históricas do capitalismo. Parte da premissa de que o progresso técnico e o econômico estão em andamento e, dado isso, sua pergunta se refere à distribuição funcional da renda entre trabalho e capital, tendo por referência a teoria clássica da distribuição e a tendência declinante da taxa de lucro de Marx. Partindo da experiência histórica, o artigo primeiramente inverte o modelo, tratando a taxa de lucro como a variável constante no longo prazo e a taxa de salário como o resíduo; em segundo lugar, distingue três tipos de progresso técnico (poupador de capital, neutro e dispendioso de capital) e o aplica à história do capitalismo, tendo por referência o Reino Unido e a França. Dados esses três tipos de progresso técnico, distingue cinco fases de crescimento capitalista, dentre as quais apenas a segunda condiz com a previsão de Marx. Na fase final, correspondente ao e ao Capitalismo Financeiro-Rentista e neoliberal, os salários foram mantidos estagnados, crescendo menos que a produtividade, enquanto a taxa de lucro recuperou-se da queda ocorrida nos anos 1970.

 

This paper discusses distribution and the historical phases of capitalism. It assumes that technical progress and growth are taking place, and, given that, its question is on the functional distribution of income between labor and capital, having as reference classical theory of distribution and Marx’s falling tendency of the rate of profit. Based on the historical experience, it, first, inverts the model, making the rate of profit as the constant variable in the long run and the wage rate, as the residuum; second, it distinguishes three types of technical progress (capital-saving, neutral and capital-using) and applies it to the history of capitalism, having the UK and France as reference. Given these three types of technical progress, it distinguishes five phases of capitalist growth, where only the second is consistent with Marx prediction. In the final phase, corresponding to financier-rentier capitalism and neoliberalism, the profit rate recovered from the fall of the 1970s, while wages have been growing below the growth of productivity.

   
Estabilidade monetária e CEPAL: A heterogeneidade do pensamento estruturalista Latino-Americano
Pedro Luiz Aprigio e André Roncaglia de Carvalho

 

O artigo verifica a hipótese de homogeneidade estrita do pensamento estruturalista Latino-Americano em matéria de estabilidade monetária em seus anos iniciais. Em meados da década de 1950, o crescente e contínuo fenômeno inflacionário na região era explicado pela CEPAL como resultante da presença de estrangulamentos nas estruturas reais da economia. Entretanto, o canal de transmissão ao nível de preços é explicado pelos autores de maneiras diversas, gerando-se, por conseguinte, diferentes propostas de estabilização. O artigo sublinha a flexibilidade metodológica e o grau de fragmentação teórica da abordagem cepalina, bem como a controvérsia sobre a inflação constituir parte do processo de desenvolvimento. A análise destes elementos revela uma tensão entre os aspectos keynesianos anglo-saxônicos na abordagem de Prebisch e a original teoria latino-americana proposta por Noyola e Furtado. Avalia-se em que medida este descompasso impediu a constituição de um corpo teórico diferenciado em matéria de estabilização monetária.

 

The paper evaluates the assumption of a homogeneous theory of monetary stabilization in early Latin American structuralist economics. Starting in the 1950s, the growing and continuous inflationary problem in the region was seen as a result of bottlenecks within the productive structure. However, the channels that transmit such imbalances onto prices are framed quite distinctly amongst the aforementioned writers, with implications regarding their policy suggestions. The paper underlines a methodological flexibility, which engendered a fragmented theoretical framework of analysis, and the notion that inflation was part of the process of economic development. The combination of both elements unveiled an analytical deficiency within Cepal’s theory of monetary stabilization. As a result, there arose a tension between Prebisch’s Anglo-Saxon Keynesian view and the original theory proposed by Noyola and Furtado. The paper traces the nature of such disparities and the extent to which they impaired the constitution of a unique theoretical corpus on matters of stabilization.

 

   
Real exchange rate and structural change in a Kaldorian balance of payments constrained growth model
Bernardo Mattos Santana e José Luis Oreiro

O presente artigo tem por objetivo desenvolver um modelo Kaldoriano de crescimento que (i) incorpore a restrição de balanço de pagamentos, eliminando assim a inconsistência presente nos MCRBP; e (ii) estabeleça um mecanismo pelo qual o nível da taxa real de câmbio possa afetar o crescimento de longo-prazo das economias capitalistas. Uma inovação importante introduzida no modelo que será desenvolvido ao longo desse artigo é a hipótese de que o coeficiente de Kaldor-Verdoorn - que capta a sensibilidade da taxa de crescimento da produtividade do trabalho com respeito a taxa de crescimento do produto real - depende da participação da indústria no PIB. Essa hipótese permitirá introduzir no modelo a possibilidade de mudança estrutural, a qual é entendida como um processo dinâmico mediante o qual a participação da indústria no produto se altera ao longo do tempo. Dessa forma, será possível analisar as propriedades dinâmicas do modelo tanto no caso em que a estrutura produtiva é mantida constante (caso sem mudança estrutural), como no caso em que a mesma se altera em decorrência de algum processo econômico (caso com mudança estrutural).

 

The objective of the present article is to develop a Kaldorian Growth model that (i) had a balance of payments constraint, in order to eliminate the inconsistency of balance of payments growth models; and (ii) defines a precise mechanism by which the level of real exchange rate can affect long-term growth. An important innovation introduced in the model is the idea that Kaldor-Verdoorn coefficient – that measures the sensibility of growth rate of labor productivity to output growth – depends on the share of manufacturing output on GDP. This hypothesis allowed us to introduce the possibility of structural change, defined as a dynamic process by which the share of manufacturing industry on real output could change over time. In this case, it will be possible to analyze the dynamic properties of the model either in the case where productive structure is kept constant (case with no structural change), as in the case where it evolves over time as a result of some economic process (case with structural change).

   
Reflections on the old and new developmentalism
Jan Kregel

O novo desenvolvimentismo proporciona uma visão da teoria do desenvolvimento do passado, bem como uma visão para o futuro. Esta avaliação aponta como ele incorpora as contribuições positivas de teóricos do desenvolvimento inicial preocupados com os problemas semelhantes da importância das taxas de câmbio no processo de desenvolvimento para fornecer uma versão contemporânea da teoria adaptada ao mundo do século XX e da financeirização.

 

New Developmentalism provides a view out how it incorporates the positive contributions of early development theorists concerned with to the past of development theory as well as a view to the future. This assessment points the similar problems of the importance of exchange rates in the development process to provide a contemporary version of the theory adapted to the twentieth century world of globalization and financializatio.

   
Developmental macroeconomics: a post-Keynesian assessment
Marco Flávio da Cunha Resende e Fábio Henrique Bittes Terra

A relação entre taxa de câmbio, investimento e crescimento econômico tem sido objeto de estudo de autores de diferentes matizes teóricos, e está no centro da análise do chamado Novo Desenvolvimentismo, cujo modelo foi sistematizado recentemente por seus autores, após muitos anos trabalhando neste tema e com diversos artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais. O objetivo deste artigo é realizar uma avaliação crítica do Novo Desenvolvimentismo (DM). Conforme seu argumento central, os países em desenvolvimento apresentam apreciação crônica e cíclica da sua taxa de câmbio real que, por sua vez, impõe limites ao investimento e crescimento dos setores mais dinâmicos e de maior produtividade da economia, impedindo a convergência da renda per capita dos países em desenvolvimento e desenvolvidos. Constatamos diversas contribuições do DM à literatura, mas, também, equívocos, contradições e a necessidade de elaboração teórica em diversas áreas da economia para que seja alcançado um modelo coerente e completo, capaz de explicar as barreiras ao aumento da renda per capita nos países em desenvolvimento, como também as políticas necessárias para superá-las.

 

Authors from distinct schools have studied the relationship between the exchange rate, investment and growth. This relationship is key for the named Developmental Macroeconomics, whose leaders have just recently started to compound a systematic model evolving all the ideas they had worked out since long ago and after several papers published in Brazilian and foreign Journals. The aim of the paper is to critically assess the Developmental Macroeconomics (DM) model. DM argues that the exchange rate in the lower and medium developed economies (LME) tends to be chronically and cyclically overvalued begetting a barrier to investment and growth in the manufacturing industry, which is the best to provoke the productive enhancement of any economy, preventing the convergence of per capita income between LME and developed countries. We conclude that DM contributes to the literature in many points. Nonetheless, DM model is misleading in some points, showing some mistakes and contradictions. It yet needs fulfilling several branches to construct a full model to explain why some LME do not reach sustainable growth and do not converge their per capita incomes to that of developed economies.

   
Exchange rate determination and the flaws of mainstream monetary theory
Heiner Flassbeck

Developing countries in general need flexibility and a sufficient number of instruments to prevent excessive volatility. Evidence does not support the orthodox belief that, with free floating, international financial markets will perform that role by smoothly adjusting exchange rates to their “equilibrium” level. In reality, exchange rates under a floating regime have proved to be highly unstable, leading to long spells of misalignment. The experience with hard pegs has not been satisfactory either: the exchange rate could not be corrected in cases of external shocks or misalignment. Given this experience, “intermediate” regimes are preferable when there is instability in international financial markets.

Os países em desenvolvimento geralmente precisam de flexibilidade e um número suficiente de instrumentos para prevenir a volatilidade excessiva. A evidência não apoia a crença ortodoxa de que, com os mercados financeiros internacionais flutuantes, seu desempenho ajustará as taxas de câmbio ao seu "equilíbrio". Na realidade, as taxas de câmbio sob um regime flutuante provaram ser altamente instáveis, levando a longos períodos de desalinhamento. A experiência com indexação também não foi satisfatória: a taxa de câmbio não pôde ser corrigida em casos de choque externo ou desalinhamento. Dada essa experiência, os regimes "intermediários" são preferíveis quando há instabilidade nos mercados financeiros internacionais.

   
Financial flows and the New Developmentalism
Fernando J. Cardim de Carvalho

O Novo Desenvolvimentismo focou sua atenção sobre os problemas comerciais criados, em grande medida, pelas divergências entre a taxa de cambio que mantem a conta corrente do balanço de pagamentos em equilíbrio e o que chama de taxa de cambio de equilíbrio industrial, a taxa que preservaria a competitividade das firmas industriais que operem na fronteira do estado-das-artes. O ND reconhece que essas taxas podem ser perturbadas por fluxos financeiros, mas o papel de movimentos da conta de capitais pode estar sendo subestimado. Este trabalho argumenta que fluxos financeiros têm sido realmente subestimados, o que pode tornar mais difícil a elaboração de politicas eficazes para corrigir o problema da sobrevalorização cambial.

 

New Developmentalism has focused its attention on trade problems created, to a large measure, by the divergences between the exchange rate that keeps the current account of the balance of payments balanced and what it calls industrial equilibrium exchange rate, the rate that would preserve the competitiveness of manufacturing firms operating at the state-or-art frontier. ND acknowledges that these rates may be disturbed by financial flows, but the role of capital account movements may be underestimated. The paper argues that financial flows have indeed been underestimated, which may make more difficult to devise efficacious policies to correct the problem of currency overvaluation.

   
Desenvolvimento e nação em Bresser-Pereira: uma “viagem redonda”?
Daniel Estevão Ramos de Miranda

O objetivo deste trabalho é analisar o tema do desenvolvimento na produção intelectual de Luiz Carlos Bresser-Pereira. Defende-se aqui que as mudanças em suas concepções estão fortemente ligadas às suas movimentações profissionais e políticas e propõe-se separar sua produção em quatro grandes variações: nacional-desenvolvimentismo, subdesenvolvimento industrializado, crise do Estado e novo desenvolvimentismo. Visto em perspectiva alongada, a obra de Bresser-Pereira revela para um autor em busca do protagonista do processo de desenvolvimento brasileiro.

This paper discusses the theme of development in the intellectual production of Luiz Carlos Bresser-Pereira. The variations in his conceptions are strongly related to his professional and political circulation and its production may be categorized in four main variations: national-developmentism, industrialized underdevelopmentism, crisis of State and new developmentism. In the long run, the work of Bresser-Pereira reveals an author searching for the protagonist of Brazilian development process.

   
Notas para a discussão do tempo na economia: uma modelagem heterodoxa
Enéas G. de Carvalho

O objetivo deste artigo é apresentar as principais contribuições heterodoxas (não deterministas) para a abordagem do tempo, em economia, e contrapô-las ao enfoque dominante. Adicionalmente, busca-se contribuir para o entendimento das razões pelas quais a concepção determinista do tempo ainda é dominante -e talvez hegemônica- entre os economistas. Esta situação tem permanecido assim apesar do fato de que a abordagem alternativa (não determinista) tenha se revelado mais adequada ao seu objeto e venha ganhando importância e atenção significativa em uma ampla gama de disciplinas científicas. Este artigo procura avançar uma hipótese explicativa para esta situação paradoxal e intrigante, sem ter, entretanto, a pretensão de dar uma resposta completa ou definitiva para esta importante e intricada questão.

 

The purpose of this paper is to present the main heterodox (not determinist) contributions to the time approach in economics. Also it is looking for to compare the dominant (determinist) view with the not determinist one. In addition, it seeks to contribute to the understanding of the reasons why the deterministic approach of time is still dominant -and perhaps hegemonic- among the economists. This circumstance has remained so despite the fact that the alternative view (not deterministic) has proved to be most appropriate to its object and it has been gaining importance and significant attention in a wide range of scientific disciplines. This article seeks to advance an explanatory hypothesis for this paradoxical and intriguing situation, without claim to offer, however, a complete or definitive answer to this important and intricate issue.

   
The degradation of Brazilian socioeconomics
Marcus Alban

O Brasil nos últimos anos vem se caracterizando pelo desenvolvimento de uma série de atividades ilegais. Para compreender essa dinâmica, não considerada nas análises convencionais, propõe-se um Modelo Keynesiano Expandido, no qual as crises são explicadas pela substituição de atividades produtivas por atividades improdutivas e destrutivas. Com o modelo se analisa a trajetória socioeconômica desde o Plano Real, concluindo que, como a preocupação foi preponderantemente com a estabilização e não com o crescimento, as atividades produtivas nunca foram viabilizadas na escala adequada, abrindo o espaço para o avanço das improdutivas e destrutivas, que provocam uma crescente degradação do país.

In recent years, a number of illegal activities operated under the radar of conventional analysis have taken place in Brazil. This study proposes an Extended Keynesian Model in order to understand this phenomenon, a model that explains that crises happen because of the replacement of productive activities with unproductive and destructive activities. The model is used here to examine Brazil's socioeconomic history since the institution of the economic plan that established the actual currency “Real” (R$), concluding that as the plan’s concern was predominantly with stabilization and not growth, productive activities have never been promoted on an appropriate scale. This has paved the way for the advancement of unproductive and destructive activities which have ultimately led to the country’s increasing degradation.

   
Ideologia em estado puro: Juros e inflação para além da aparência neoclássica
Jorge Armindo Aguiar Varaschin

 

Há uma crença em parcela dos/as economistas brasileiros/as alusiva à possibilidade de análises econômicas que excluam influências ideológicas. A ortodoxia neoclássica funda sua pretensão científica apoiada na premissa de sua própria neutralidade, influindo no debate econômico nacional: o não reconhecimento de seu caráter ideológico, conforme esvazia de significação conceitos centrais como a inflação, interdita a discussão da qual faz parte. Este trabalho investiga esse deslocamento de conteúdo, cuja síntese manifesta-se através da temática inflacionária, apresentando esse “vazio” conceitual como momento de perda de sua eficácia analítica, mas que, justamente por isso, redimensiona seu papel como veículo ideológico.

 

There is a belief amongst part of Brazilian economists alluding to the possibilities of economic analysis which excludes ideological influences. The neoclassical orthodoxy establishes its scientific pretentions based on the premise of its own neutrality, influencing the national economic debate: the not recognizing of its ideological character, as it drains significant focal concepts such as inflation, inhibits the discussion from which it belongs. This essay queries such content shift, which synthesis prompts through the inflationary thematic. Featuring this conceptual “void” as moment of loss from its analytical efficacy, though, because of it, resizes its part as ideological mean.

   
Objetividade valor e forma valor. Apontamentos de Marx para a segunda edição de O capital.
Rômulo Lima e Michael Heinrich

 

O artigo consiste em uma apresentação e em comentários à tradução, publicada aqui pela primeira vez em português, de extratos retirados dos cadernos preparatórios de Marx para a segunda edição de O capital, de 1872. O conteúdo desses extratos sublinham o caráter social da objetividade valor, o que indica a importância a análise da forma valor para a crítica social elaborada por Marx. Partindo dos diferentes tratamentos da forma valor contidas em Para a crítica da Economia Política (1859), O capital (1867) e O capital (1872),  os comentários abordam, além de aspectos práticos do problema, a particularidade do objeto de análise de Marx e sua diferença com relação ao objeto de estudo da Economia Política clássica.

 

The text consists in a presentation and comments to translated extracts of Marx's revision notes – published here for the first time in Portuguese – to the second edition of Capital (1872). The content of these excerpts stresses the social character of value objectivity and point to the importance of the value form analysis in Marx's social critique. Departing from the different treatments of the value form as they appear in Contribution to the Critique of Political Economy (1859), Capital (1867) and Capital (1872), the text highlights the precise object of Marx's investigations, its difference regarding the method of classical Political Economy and some practical aspects derived from his critical conception.

   
Crescimento e distribuição: revisão de um modelo clássico
Luiz Carlos Bresser-Pereira

 Este artigo discute a distribuição e as fases históricas do capitalismo. Parte da premissa de que o progresso técnico e o econômico estão em andamento e, dado isso, sua pergunta se refere à distribuição funcional da renda entre trabalho e capital, tendo por referência a teoria clássica da distribuição e a tendência declinante da taxa de lucro de Marx. Partindo da experiência histórica, o artigo primeiramente inverte o modelo, tratando a taxa de lucro como a variável constante no longo prazo e a taxa de salário como o resíduo; em segundo lugar, distingue três tipos de progresso técnico (poupador de capital, neutro e dispendioso de capital) e o aplica à história do capitalismo, tendo por referência o Reino Unido e a França. Dados esses três tipos de progresso técnico, distingue quatro fases de crescimento capitalista, dentre as quais apenas a segunda condiz com a previsão de Marx. A fase final, posterior à Segunda Guerra Mundial, deveria, em tese, ser poupadora de capital, consistentemente com um crescimento dos salários superior ao da produtividade. Em vez disso, desde a década de 1970 os salários foram mantidos estagnados nos países ricos por causa, primeiro, do fato de que a Revolução da Tecnologia de Informação e Comunicação provou ser altamente consumidora de capital abrindo caminho para uma nova onda de substituição do trabalho por capital; segundo, da nova competição vinda de países em desenvolvimento; terceiro, do surgimento da classe tecnoburocrática, ou liberal; e, quarto, do novo poder da coalização de classe neoliberal que associou capitalistas rentistas e financistas.

 This paper discusses distribution and the historical phases of capitalism. It assumes that technical progress and growth are taking place, and, given that, its question is on the functional distribution of income between labor and capital, having as reference classical theory of distribution and Marx’s falling tendency of the rate of profit. Based on the historical experience, it, first, inverts the model, making the rate of profit as the constant variable in the long run and the wage rate, as the residuum; second, it distinguishes three types of technical progress (capital-saving, neutral and capital-using) and applies it to the history of capitalism, having the UK and France as reference. Given these three types of technical progress, it distinguishes four phases ofcapitalist growth, where only the second is consistent with Marx prediction. The last phase, after World War II, should be, in principle, capital-saving, consistent with growth of wages above productivity. Instead, since the 1970s wages were kept stagnant in rich countries because of, first, the fact that the Information and Communication Technology Revolution proved to be highly capital-using, opening room for a new wage of substitution of capital for labor; second, the new competition coming from developing countries; third, the emergence of the technobureaucratic or professional class; and, fourth, the new power of the neoliberal class coalition associating rentier capitalists and financiers.

 
         
 
     
     
 
The Brazilian Journal of Political Economy counts with the support of the following corporations:
 
   
Copyright © 2018
Revista de Economia Política - ISSN 1809-4538
Rua Araripina, 106 - 05603-030 - São Paulo - Brazil